quinta-feira, julho 27, 2006

lírica para fabrícia, novamente


conduz-me com a mão
que, pueril, solfeja a mes-
ma nota de morada.

conduz-me com a boca
que, toda nudez, ensina
minha parte em contrário.

conduz-me com a vulva
que, toda lábio, convulsa
meu mais confuso gesto.

conduz-me com a testa
que, franzida, perplexa
o outro que sou, em ti.

3 comentários:

André disse...

Dom Piero, El Bloguero:
Esse seu blog está, como diria Athayde Patrese, "simplesmente um luxo!" Parabéns pelos poemas, que não deveriam ficar apenas nessa publicação virtual (se é que você me entende). Abraço para você e beijo para a musa.
André

Anônimo disse...

Piero, belíssimo. Um dos poemas mais lindos que li e...lerei.

Parabéns pelo blog! Perficiente!
Voltarei mais vezes.
Bjs
Aldmeriza

Soll disse...

linda poesia de amor