segunda-feira, outubro 05, 2009

homeros diversos, do braço à letra


Ὅμηρος:

οἵη περ φύλλων γενεὴ τοίη δὲ καὶ ἀνδρῶν.
φύλλα τὰ μέν τ᾽ ἄνεμος χαμάδις χέει, ἄλλα δέ θ᾽ ὕλη
τηλεθόωσα φύει, ἔαρος δ᾽ ἐπιγίγνεται ὥρη:
ὣς ἀνδρῶν γενεὴ ἣ μὲν φύει ἣ δ᾽ ἀπολήγει.

Odorico Mendes:

Como as folhas somos;
Que umas o vento as leva emurchecidas,
Outras brotam vernais e as cria a selva:
Tal nasce e tal acaba a gente humana.

Haroldo de Campos:

Símile à das folhas,
a geração dos homens: o vento faz cair
as folhas sobre a terra. Verdecendo, a selva
enfolha outras mais, vinda a primavera. Assim,
a linhagem dos homens: nascem e perecem.

Frederico Lourenço:

Assim como a linhagem das folhas, assim é a dos homens.
Às folhas, atira-as o vento ao chão; mas a floresta no seu viço
Faz nascer outras, quando sobrevem a estação da primavera:
Assim nasce uma geração de homens; e outra deixa de existir.

Carlos Alberto Nunes:

As gerações dos mortais assemelham-se às folhas das árvores,
que, umas, os ventos atiram no solo, sem vida; outras, brotam
na primavera, de novo, por toda a floresta viçosa.
Desaparecem ou nascem os homens da mesma maneira.

George Chapman:

When like the races of leaves
The race of man is, that deserves no question, nor receives
My being any other breath. The wind in autumn strows
The earth with old leaves, then the spring the woods with new endows,
And so death scatters men on earth, so life puts out again
Man’s heavy issue.

Samuel Butler:

Men come and go as leaves year by year upon the trees. Those of autumn the wind sheds upon the ground, but when spring returns the forest buds forth with fresh vines. Even so is it with the generations of mankind, the new spring up as the old are passing away.

Stanley Lombardo:

Human generations are like leaves in their seasons.
The wind blows them to the ground, but the tree
Sprouts new ones when spring comes again.
Men too. Their generations come and go.

Robert Fagles:

Like the generations of leaves, the lives of mortal men.
Now the wind scatters the old leaves across the earth,
now the living timber bursts with the new buds
and spring comes round again. And so with men:
as one generation comes to life, another dies away.

Hugues Salel:

Le Genre humain eſt fragile, & Muable
Comme la Fueille, & auſſi peu durable.
Car tout ainſi qu’on voit les Branches vertes,
Sur le Printemps, de fueilles bien couvertes,
Qui par les ventz d’Autumne & la Froidure,
Tumbent de l’Arbre, & perdent leur verdure,
Puis derechef, la Gelée paſſée,
Il en revient en la place laiſſée :
Ne plus ne moins eſt du lignaige humain :
Tel eſt huy vis, qui ſera mort demain.
S’il en meurt ung, ung aultre vient à naiſtre :
Voila comment ſe conſerve leur eſtre.

Leconte de Lisle:

La génération des hommes est semblable à celle des feuilles. Le vent répand les feuilles sur la terre, et la forêt germe et en produit de nouvelles, et le temps du printemps arrive. C'est ainsi que la génération des hommes naît et s'éteint.

Paul Mazon:

Comme naissent les feuilles, ainsi font les hommes. Les feuille, tour à tour, c’est le vent qui les épand sur le sol, et la forêt verdoyante qui les fait naître, quand se lèvent les jours du printemps. Ainsi les hommes: une generation naît à l’instant même où une autre s’efface.

Minhas tentativas:

como ao clã de folhas, assim é o de homens.
folhas que ao solo o vento entorna, outra árvore
novas as faz florir, irrompe a primavera, ateando ver:
clã de homens irrompe e desarvora, lado a lado.

ou

como à linha de folhas, assim é a de homens.
folhas que ao solo o vento entorna, outro caule
novas as faz florir, a primavera, visto tecido:
lado a lado, linhas de homens tecem-se e desfolham.



Homero em versão samba,
Nelson Cavaquinho:

Quando eu piso em folhas secas,
Caídas de uma mangueira
Penso na minha escola
E nos poetas da minha estação primeira
Não sei quantas vezes
Subi o morro cantando
A luz do sol me queimando
E assim vou me acabando.
Quando o tempo avisar
Que eu não posso mais cantar
Sei que vou sentir saudade
Ao lado do meu violão
E da minha mocidade.

6 comentários:

PopZen disse...

Em princípio, não queria deixar nenhum comentário, visto que jamais estaria à altura de tudo que está aqui, mas tenho que dizer que fiquei comovido com a citação a Nelson do Cavaquinho. Que belo samba! Que belas palavras! E como é rico esse universo da linguagem!

olimpia disse...

Caro PopZen (amei esta sua combinação!):

Na minha experiência de vida com o Piero logo percebi que se me deixasse intimidar pela erudição que dele transborda, o relacionamento ficaria "travado".
Por isto coloco aqui, sem pudor, a manjadíssima lyric de Autumn Leaves

"The falling leaves
Drift by the window
The autumn leaves
Of red and gold

I see your lips
The summer kisses
The sunburned hands
I used to hold

Since you went away
The days grow long
And soon I'll hear
Old winter's song

But I miss you most of all
My darling
When autumn leaves
Start to fall "
--------
A amizade permite. Penso que existe -- à maneira da "licença poética" -- uma "licença afetuosa".
-------
Eu também fiquei comovida com as citações.
olimpia

BousToPhedron disse...

Piero é exímio! Mestre perfeito! Erudição que jamais dói.

Iniciará tb. grupo de estudos do Grego?

Piero, viajei no vento mau - que varre as aléias do fundo dos vieux faubourgs. Como nossa linhagem/folhagem/lenho leve vai para-cá-e-para-lá... ao vento mau, vento-nau. o céu-alvéolo. It breaths!

Dá-lhe verde-e-rosa!

piero eyben disse...

caríssimos,

folhas de samba, pé ante pé,
vento e nauvoradora helena:
assim, tudo transborda entre
cultura nossa e caminho vago -

um céu ameno, leve lenho,
as palavras, asas todas,
entre a experiência de ler
e ler-se na experiência.

há ainda o enigma, que é saga,
dizer e o indizível das coisas
ditas. assim, deméter, assim
assuns. afetosamente, respiro.

joaofoti disse...

todo o blog me agradou muito. piero, meu professor. também tenho poesia escrita, neste link, gostaria de lê-las? embora eu mesmo ainda não tenha compreendido o suposto significado de tais textos, os quais foram feitos despretensiosamente e à luz da espontaneidade.

joaofoti disse...

ps: qual foi a tua compra na livraria cultura, nesta tarde de sexta-feira?